Canja Rápida de Miúdos


Quem por aqui passa sabe que o desperdício é algo que me faz imensa impressão, principalmente o desperdício alimentar. Não fui educada a desperdiçar comida. Em minha casa sempre se comeram sobras de dias anteriores, se “transformou” comida de outras refeições numa nova refeição, se congelou comida para não estragar, e se utilizou o que havia - e os meus avós tinham - em detrimento de comprar outras coisas que podíamos gostar mais. É assim que vivi a ver fazer as compotas e a marmelada -  para não desperdiçar a fruta. E que sempre vi a minha avó a fazer massa de pimentão, doce de tomate e a branquear o excesso de legumes para congelar.
É normal que habituados a conviver com isto, sejamos também um bocadinho assim. É que não desperdiçar é uma forma de rentabilizar e de poupar, e muitas pessoas acabam por não se aperceber disso, pois não potencializam certos recursos que têm disponíveis.
Quando falo e partilho certas coisas (principalmente na conta do instagram, nas instastories, e no facebook), há sempre imensas perguntas e dúvidas que surgem às pessoas relativas às coisas de todos os dias... Como por exemplo esta canja de miúdos, que costuma ser habitual cá em casa.
Tenho a sorte de ter que me arranje frangos caseiros, que chegam aqui a casa com a garrafinha do sangue para fazer uma bela cabidela, e sempre com os miúdos. Confesso que eu não sou grande fã dos miúdos - gosto apenas das moelas e do pescoço, sendo o Miguel adepto do fígado e dos corações). O que acontece é que os frangos vão sendo gastos, mas os miúdos vão ficando no congelador, a não ser quando os aproveito para colocar no arroz de cabidela...
O uso mais habitual dos miúdos do frango é para fazer caldo caseiro de frango, juntamente com algumas aparas de legumes como cenoura e a rama do alho francês. Mas outras vezes dá uma canja rápida deliciosa que agora, de inverno, sabe ainda melhor.
E com o que poderia ser desperdiçado se transforma....

Ingredientes para 4 a 6 pessoas:

miúdos de 2 frangos caseiros ou do campo (patas, fígado, coração, moelas e pescoço)
2 ovos 
1 cenoura
1 cebola pequena
sal e pimenta q.b.
70g de massinhas (pevide ou cuscus)
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Num tacho coloque os miúdos dos frangos juntamente com a cenoura, a cebola, os ovos. Junte água (cerca de 1,2l) e tempere de sal e pimenta. Deixe cozinhar em lume brando até que os miúdos estejam bem cozinhados, assim como a cenoura e a cebola, cerca de 30 a 40 minutos.
Coe o caldo e coloque-o de novo na panela e deixe levantar fervura novamente. Junte depois a massa e deixe-a cozinhar em lume brando - retificando os temperos - mais 10 a 15 minutos.
Entretanto descasque os ovos e corte-os em pedaços. Esmague a cenoura com um garfo e corte a cebola em pedacinhos pequenos (se não gostar, descarte a cebola). Corte também os miúdos em pedaços pequenos.
Quando a massa estiver cozinhada junte os ovos, a cenoura, a cebola e os miúdos à canja. (Se necessário acrescente um pouco mais de água e retifique de sal)
Sirva bem quente com um raminho de hortelã, se gostar.

Bom Apetite!

4 comentários :

  1. A Joana consegue ser sempre pertinente. Apesar da minha restrição de espaço (congelador muito pequeno) de vez em quando vou fazendo caldos caseiros (agora tenho lá de peixe, o próximo que fizer estou a pensar experimentar na slowcooker). Só não faço mais justamente por causa do pouco espaço. Detesto os miúdos, faz me impeessao (manias, eu sei) mas ainda não me tinha lembrado de os aproveitar para fazer caldo de frango!! Da próxima vez que os tiver já sei o que fazer! Obrigada.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo16:05

    Embora não goste de miúdos de frango, tenho alguns congelados.
    É uma boa ideia para dar uso a eles, seja na canja ou caldo.
    E venham mais ideias destas, pois os tempos não estão para desperdiçar.

    Um grande beijinho,
    Sara Oliveira

    ResponderEliminar
  3. Gosto tanto de canja principalmente com figado e ovinhos. :-)

    Beijinhos,
    Clarinha
    https://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Aqui, fazemos o mesmo com as sobras de comida. Tudo se transforma!

    ResponderEliminar

Imprimir