Tirinhas de Frango Marroquinas com Salada de Couve, Cenoura e Hortelã


Não há nada como uma mesa bonita e bem posta. Seja para receber os amigos, seja para as refeições da semana. E cá em casa, mesmo com os miúdos que sujam muito, mesmo com refeições às vezes entre birras e colheres atiradas contra a mesa ou contra o chão, sopa cuspida ou choro de “não gosto disso”, há sempre uma mesa cuidada.
Antes do miúdos havia individuais que, por mais que goste de os usar, reconheço que se tornam muito pouco práticos com eles. Agora opto por toalhas, lisas, estampadas e até bordadas, daquelas que havia no meu enxoval (sim, fui daquelas que teve enxoval completo numa arca de madeira, e que recebia na Páscoa, aniversário e no Natal, da madrinha e da avó Cila, coisas para o enxoval). Usamos também guardanapos de pano, a condizer com a toalha ou com os individuais. Com argolas bonitas ou em sacos de guardanapo.
Uso pratos brancos - os que ando a usar agora devem ter mais de 50 anos -  e copos transparentes. E gosto depois de “decorar” a mesa com bonitas taças, travessas e afins, que tenho de mil e um tamanhos, cores e feitios. Sou completamente viciada em louça de servir e não resisto a peças que considere bonitas e em conta!
E na nossa mesa não há comida em tachos (a excepção é feita para coisas como arroz de cabidela, ou para as cataplanas....) Nada contra, mas já em casa dos meus pais se contam pelos dedos das mãos as vezes que um tacho é colocado na mesa. Talvez por isso, também não goste de o fazer em minha casa. E por isso dou muito uso a todo o tipo de louça de servir que vou comprando. E gosto, gosto mesmo muito de me sentar a uma mesa bonita, com louça bonita. Dá-me alegria! E devemos estar sempre rodeados de coisas que nos fazem sentir bem e felizes.
E compro em quase todo o lado. Das mais baratas de refugo, a coisas mais perfeitas e de marcas conhecidas. Desde que alguma coisa me chame a atenção e tenha um preço justo, dificilmente não a trago comigo. Tem sido portanto muito difícil fazer compras no Continente, porque a marca KASA tem sempre peças muito giras. Dificilmente consigo ir às compras sem passar pela secção das coisas de casa, e há sempre algo mais que me chama a atenção. Há umas semanas comprei uns copos lindos para substituir uns que se foram partindo cá em casa. E apesar de estar só para trazer copos, umas travessas pequenas e amorosas, azuis turquesa com pintinhas deixaram-me encantada. E mais uma vez não resisti.
Com peças bonitas para colocar na mesa - e que também podem ir ao forno - quem é que resiste a levar tachos para mesa? Digam lá se rodeados de coisas bonitas (e uma família que amamos) não nos sentimos todos muito mais felizes?

Ingredientes para 2 pessoas:

2 peitos de frango
1 limão
2 dentes de alho
sal q.b.
1 colher de sopa bem cheia de Ras- al- Hanout (se não conseguirem encontrar a mistura já feita podem fazer em casa a partir desta receita: https://www.bbcgoodfood.com/recipes/3161675/ras-el-hanout-spice-mix)

Salada de Couve
1/2 couve coração pequena
1 cenoura
1 pernada de hortela fresca
sumo de limão
azeite
sal q.b.

Preparação:

Corte os peitos de frango em tiras não muito finas e coloque-as num recipiente. Tempere depois com um pouco de sal, os dentes de alho esmagados, o sumo de limão e com o Ras-al-hanout. Misture bem e deixe a tomar gosto algumas horas ou de um dia para o outro.
Aqueça depois uma frigideira anti aderente com um fio de azeite e deixe aquecer bem. Junte as tiras de frango e deixe-as cozinhar de ambos os lados até que fiquem douradas. Retire.
Para a salada. Com a ajuda de uma faca afiada ou com uma mandolina, corte a couve em juliana fina e coloque-a numa saladeira. Descasque a cenoura e rale-a. Junte à couve. Pique as folhas de hortelã bem fininhas e junte-a aos restantes legumes. Tempere a salada de couve com sumo de limão, azeite e sal a gosto e envolva bem.
Sirva as tirinhas de frango polvilhada com um pouco de coentros frescos picados e acompanhe com a salada de couve, cenoura e hortela. Se preferir sirva também com uns palitos de batata doce no forno ou um pouco de arroz.


Bom Apetite!

Entremeada de Leitão Assada com Tomilho Limão


Das receitas simples e especiais, em que o truque é apenas e só tempo. Tempo para que a carne cozinhe lentamente. Não há cá assados destes feitos com pressa. Ligar o forno antes das 10h da manhã, deixar aquecer bem, colocar a carne previamente temperada e esquecer que a temos por lá, até à hora de almoço. 3 horas depois há um assado que é diferente e especial.
Há coisas que precisam de tempo e paciência. De não termos pressa e de não querermos tudo para ontem. Mesmo sem grandes cuidados, sem grande preocupação e sem grande vigilância o assado perfeito vai-se fazendo. Com tempo.
É talvez porque o domingo é sempre um dia mais relaxado, em minha casa é muitas vezes escolhido para o dia de assado lento, de almoçar devagar, de não ter pressa, de não olhar para o relógio, de não nos sentirmos pressionados por horários e para outras tarefas. Slow food no seu melhor.

Ingredientes para 4 pessoas:

1,5kg de entremeada de leitão (peça inteira com osso)
sal marinho q.b.
tomilho limão q.b.

Preparação:

Com uma faca afiada faça cortes regulares em toda a pele da entremeada - com cerca de 0,5cm de espaço entre os cortes. 
Coloque depois a carne num tabuleiro ou pirex e tempere-a com sal e com o tomilho limão, tendo o cuidado de o colocar entre os cortes na pele da entremeada.
Coloque depois a carne no forno previamente aquecido a 240ºC durante cerca de 30 minutos para ajudar a tostar a pele (o famoso “crackling”). Ao fim de 30 minutos, reduza o forno para cerca de 150ºC e deixe cozinhar mais 2h30 até que a carne fique macia e suculenta, quase a desprender-se sozinha do osso.
Retire do forno, deixe repousar uns minutos e corte-a em pedaços mais pequenos - pode-se guiar pelos cortes que fez na pele da entremeada.
Sirva a carne com puré de maça e uma salada verde ou chips de batata doce no forno. laranja e uma salada.


Bom Apetite!

Fritata de Camarão, Pimento e Alho Francês


Há receitas perfeitas para acabar com as sobras do frigorífico. Seja uma massa, um arroz frito, uma quiche ou até uma fritata.
Neste caso, o alho francês já a começar a ficar murcho, um restinho de conserva de pimento assado e o fundo de uma lata de leite de coco acabaram numa fritata que estava para ser só com camarão. 
O lema de não desperdiçar é sempre mais do que falado por aqui, mas é um tema com o qual me identifico. Abrir o frigorífico, ver se há algo a necessitar de ser consumido rapidamente e tentar incorporar isso no que vou cozinhar, é mais do que comum na maneira como eu - e acredito que muitas outras pessoas - cozinham.
Escrutinar o frigorífico em busca de alimentos que necessitam de ser consumidos em vez de acabarem no caixote do lixo, deveria ser obrigatório. Deixo-vos este desafio para esta semana que hoje começa. Tentarem não desperdiçar e rentabilizarem tudo ao máximo. 
Aqui fica uma simples forma de aproveitar tudo em forma de fritata!

Ingredientes para 2 pessoas:

250g de miolo miúdo de camarão 
azeite q.b.
2 dentes de alho
4 ovos
sal e pimenta q.b.
1 alho francês
100g de tirinhas de pimento assado em conserva (podem usar pimento fresco)
100ml de leite de coco
75g de queijo parmesão ralado

Preparação:

Leve uma frigideira ao lume com os dentes de alho laminados e um fio de azeite. Assim que o alho começar a querer fritar acrescente o alho francês cortado em fatias finas e bem lavado e deixe murchar. Junte depois o pimento e envolva bem. Acrescente os camarões e tempere com um pouco de sal e pimenta. 
Bata os ovos e o leite de coco numa taça e tempere também com um pouco de sal e pimenta.
Assim que o camarão esteja rosado acrescente a mistura de ovos, reduza o lume e tape, deixando cozinhar cerca de 15 minutos até que os ovos comecem a ficar coagulados.
Retire a tampa e coloque por cima o queijo parmesão ralado. 
Coloque depois a frigideira no forno previamente aquecido a 200ºC com Grill para tostar o queijo e acabar de dourar a superfície da fritata.
Retire do forno, desenforme e sirva acompanhado por legumes cozidos ou uma salada verde.


Bom Apetite!

Cheesecake de Mascarpone e Baunilha com Base de Frutos Secos


É comum, principalmente em receitas ligadas ao mundo vegetariano e vegan, ver receitas de cheesecakes em que a base é uma mistura de frutos secos com tâmaras, figos ou passas a adoçar e a ajudar a unir a base. Nunca tinha experimentado - cá em casa os cheesecakes fazem-se normalmente com base de bolacha maria - mas andava curiosa.
O facto de ter necessidade de gastar uns queijos que cá tinha em casa levou-me a querer fazer um cheesecake, e o facto de não ter bolacha maria levou-me finalmente a experimentar as bases de frutos secos.
A combinação não podia ter corrido melhor. Fica realmente saboroso e contraste bem com o recheio e percebe-se porque tem tido tanto sucesso em substituição da tradicional base de bolacha.
E assim, se fez uma sobremesa para aproveitar as sobras do mascarpone e do queijo creme que tinham sobrado de um workshop.
E como se espera calor para o fim de semana, aqui fica a sugestão!

Ingredientes para 6 pessoas:

Base:
75g de amêndoas (usei com pele)
75g de avelãs
75g de sementes de girassol
75g de figos secos

Recheio:
150g de queijo mascarpone
150g de queijo creme (ou quark)
3 collheres de sopa de mel (mal cheias)
1 colher de chá de essência de baunilha

Decoração:
Framboesas e folhas de manjericão

Preparação:

Comece por preparar a base. No robot de cozinha coloque as amêndoas, avelãs, sementes de girassol e os figos e triture bem até obter umas migalhas finas. Coloque esta mistura no fundo de uma tarteira pequena  - ou 6 individuais e pressione bem, de modo a formar a base. Coloque no frigorífico.
Misture depois o mascarpone com o queijo creme, o mel e a baunilha até ficar com uma mistura homogénea e coloque sobre a base anteriormente preparada.
Leve ao frigorífico pelo durante algumas horas, de preferência de um dia para o outro.
Antes de servir desenforme o cheesecake e decore a gosto com as framboesas e as folhas de menjericão.


Bom Apetite! 

Caril de Choco e Ervilhas (Receita também em Video)


Faço caril como comida de conforto. É daquelas receitas sempre à mão, para desenrascar qualquer refeição. Porque se pode fazer caril de quase tudo... Desta vez, as ervilhas biológicas do cabaz da Dona Rosa, que eu e o Zé estivemos a descascar, juntaram-se a umas tiras de choco que tinham vindo cá para casa com a ideia de as preparar fritas... mas a pouca vontade de fazer fritos e as ervilhas frescas trouxeram-me à lembrança o caril, e foi mesmo isso que saiu...
A dica cá de casa é mesmo essa... Muitas vezes, quando estou com pouca inspiração para cozinhados, o caril resolve sempre!
E a receita está em video, para vos inspirar a fazer estas receitas rápidas de todos os dias!



Ingredientes para 2 pessoas:

300g de choco (ou pota) limpa e cortado em tiras
1 cebola picada
2 dentes de alho esmagados
1colher de sopa de óleo de coco (ou outro óleo vegetal)
1 colher de sopa de pó de caril de boa qualidade
100ml de creme de coco
sal e pimenta q.b.
picante a gosto (opcional)
200g de ervilhas frescas ou congeladas

Preparação:

Leve um tacho ou wok ao lume com o óleo e deixe aquecer. Junte a cebola e os dentes de alho esmagados deixe começar a refogar. Junte depois o pó de caril e mexa bem para que as especiarias comecem a libertar o seu aroma. 
Junte depois as ervilhas de coco e retifique de sal e pimenta. Cubra com um pouco de água e deixe levantar fervura. Acrescente o creme de coco e as tiras de choco e deixe cozinhar até que o o choco esteja macio e as ervilhas cozinhadas. Se gostar acrescente agora o picante a gosto. Acompanhe com arroz basmati bem soltinho.


Bom Apetite!

Tirinhas de Vaca com “Salsa” de Ananás e Aromáticas


Hoje comemora-se o Dia Mundial da Hipertensão. E como toda a gente sabe, o consumo excessivo de sal está diretamente ligado à hipertensão. 
Cabe a cada um de nós, nas nossas casas e nas receitas que diariamente preparamos para a nossa família tentar reduzir o seu consumo. E isso não quer dizer comer com menos sabor! E é a conselho da Sociedade Portuguesa da Hipertensão, e das Aromáticas Vivas, que me lançou este desafio que devemos usar ervas aromáticas (e também especiarias) que permitam temperar as nossas refeições e assim reduzirmos a quantidade de sal que usamos - e tantas vezes em excesso....
Como sabem, sou grande fã de ervas aromáticas, e uma das primeiras coisas que tratei no jardim da nova casa, foi ter um pequeno canteiro com aromáticas, que uso quase numa base diária.
Dias como o de hoje servem essencialmente para sensibilizar as pessoas, para informar, e para mostrar como é possível reduzir o consumo de sal sem sacrificar o sabor daquilo que partilhamos na nossa mesa.
E foi esse o desafio que me deixaram. Cozinhar com menos sal e com ervas aromáticas que, para além de ser um benefício para a saúde dá mais sabor (e cor) os pratos. (E a vantagem de as ervas aromáticas da Aromáticas Vivas serem biológicas, e de as poderem transplantar para vasos ou canteiros e de as manterem nos vossos jardins, como é o meu caso!)Tenho um amigo chef de cozinha que diz sempre que, não há “styling” de um prato que não uma melhore com a utilização de ervas aromáticas. Isto para não falar em como enriquece o seu sabor. O que seria da comida alentejana sem coentros ou poejos, de uns pasteis de bacalhau ou saladinha de feijão frade sem salsa, ou de tomate e mozarella fresca sem manjericão....



Ingredientes para 4 pessoas:
600g de bife de Vaca (cortados não muito finos)
3 dentes de alho
Flor de sal q.b.
tomilho-limão
350g de ananás
1 molhinho de coentros frescos
azeite q.b. 
1 malagueta (tipo Chilli)
1 pernada de manjericão fresco

Preparação:

Tempere a carne com os dentes de alho laminados e o tomilho limão e deixe marinar algumas horas - ou de um dia para o outro no frigorífico.
Entretanto prepare a “salsa” de ananás. Descasque o ananás e corte-o em pequenos cubos. Pique a malagueta (pode retirar as sementes) e acrescente ao ananás. Pique depois os coentros e o manjericão fresco e junte-e ao preparado anterior, regando com um pouco de azeite e misturando muito bem. Reserve.
Entretanto grelhe a carne numa chapa ou frigideira anti aderente até que fique cozinhada  a seu gosto. Retire a carne e deixe repousar alguns minutos antes de a cortar em tirinhas.
Coloque a carne já cortada numa travessa e coloque um pouco de flor de sal. Por cima disponha a “salsa” de ananás e sirva de imediato.
Acompanhe com Chips de batata doce no forno, e com uma salada verde.


Bom Apetite! 



“Lasanha” de Courgete com Carne de Porco e Queijo Gouda


Sou e serei sempre uma “home cook”. Ou seja, cozinho apenas para o meu marido, filhos, amigos e família. Não sei grandes técnicas de cozinha, nem receitas muito complicadas. Gosto de experimentar, de “inventar”, de misturar e de fazer coisas mais ou menos diferentes. De variar em ingredientes e combinações. De experimentar cozinhas de outros países, e até de fazer receitas vegetarianas ou vegans ou paleo, ou sem hidratos de carbono. Gosto essencialmente de comida. De pegar e transformar os alimentos, seja para fazer a coisa mais simples deste mundo, como uns ovos mexidos, seja para fazer um bolo em camadas, mesmo que as minhas camadas fiquem tortas, o bolo a parecer a torre de Piza, mas, desde que saiba bem, e tenha bons ingredientes, está perfeito para mim e para os meus.
E é essa “paixão” que gosto de passar, por exemplo, nos meus workshops. Não tem tanto a ver com “aprender” a cozinhar, mas sim em partilhar receitas e bons momentos, dicas e sugestões. Porque eu não tenho nada para ensinar. Mas tenho uma paixão pela cozinha que gosto de partilhar, para poder levar outros a gostarem tanto quanto eu, e deixarem de fazer da cozinha - a cozinha de casa e de todos os dias - um bicho de sete cabeças. É essa a minha pretensão. É assim que se tem feito este caminho de quase 11 anos. De partilha de receitas - seja da avó, de livros, de revistas, de chefs, de cozinheiros, de restaurantes, de invenções... - mas principalmente de partilha pelo gosto de cozinhar. De tornar a cozinha um prazer e não um frete. De mostrar que é mesmo “um modo de amar os outros”.

Ingredientes para 2 pessoas:

2 courgetes não muito grandes
sobras de carne de porco assada previamente desfiada (no meu caso sobras de pulled pork que fiz na slowcooker)
4 fatias de queijo gouda
100 ml de natas ou creme fraiche
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
folhas de mangericão fresco q.b.

Preparação:

Lave as courgetes e corte-as no sentido longitudinal em fatias finas. Tempere depois a courgete em fatias com sal, pimenta e um pouco de azeite e leve-as a grelhar até que fiquem macias. Reserve.
Num tabuleiro que possa ir ao forno e à mesa coloque uma camada de fatias de courgete. Cubra com a carne e por cima da carne disponha metade das fatias de queijo. Cubra com uma mova camada de fatias de courgete grelhada e por cima desta disponha o restante queijo. 
Regue com as natas e coloque umas folhas de mangericão.
Leve ao forno previamente aquecido a 200ºC apenas para gratinar, cerca de 15 a 20 minutos.
Sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Pataniscas de Couve Flor com Ovo Escalfado


Mais uma refeição sem carne ou peixe. Com ovos das nossas galinhas e com uma “experiência” que há muita andava para fazer. Umas pataniscas ou panquecas de couve flor, que poderíamos ter enriquecido com outra coisa, mas que optamos por comer nesta versão mais simples, apenas com o ovo a escorrer, e uma salada variada.
No início de mais uma semana - depois de um fim de semana de “emoções fortes” - começa-se devagar e com uma receita simples.

Ingredientes para 8 a 10 pataniscas

350g de couve flor
2 ovos
2 colheres de sopa de farinha (usei farinha de linhaça, mas podem usar outra farinha da vossa preferência)
sal e pimenta q.b.
1 pitada de noz moscada
2 colheres de sopa de salsa picada
ovo escalfado para servir
azeite q.b.

Preparação:

Separe a couve flor em raminhos e coza-a a vapor  - eu usei a microugourmet da tupperware, mas podem usar outro utensílio. 
Assim que a couve flor esteja cozinhada, esmague-a com um garfo, mas não a desfaça muito. Não é para ficar em puré, mas sim com uma textura de “couscous”. À couve flor esmagada junte os ovos batidos, a farinha, e tempere com o sal, pimenta e a noz moscada. Misture bem e acrescente a salsa picada envolvendo.
Leve uma frigideira anti aderente ao lume com um fio de azeite e deixe aquecer bem. Coloque colheradas de massa - formando discos - e deixe cozinhar e tostar de um lado, antes de virar e deixar cozinhar do outro. Repita até esgotar a massa.
Sirva as pataniscas de couve flor com um ovo escalfado por pessoa, abrindo-o depois, deixando-o “escorrer” sobre as panquecas. Acompanhe também com uma salada de alface com maça e frutos secos.


Bom Apetite!

Bolachas Rápidas de Maçã e Aveia


Há muito que não apareciam por aqui umas bolachinhas, Estas foram feitas para gastar umas maçãs já velhotas e enrugadas que estavam na fruteira e, e apesar de não ser muito apologista de fazer bolachinhas para os miúdos, dei por mim a achar que podia fazer uma versão mais simpática, para colocar na lancheira do Zé Maria nos dias da piscina, em que fica esfomeado no fim da aula, e para variar da fruta e frutos secos que levamos habitualmente.
Acabei por pensar nestas bolachas como uma espécie de papa de aveia portátil!
A receita permite algumas variações com outras farinhas que tenham em casa - indicadas nos ingredientes. E, apesar de esta não ser a primeira vez que as preparei, esta fornada específico saiu um bocadinho queimada... É o que dá estar distraída a fazer outra coisa, em vez de prestar atenção ao forno.
Deixo-vos esta sugestão para o fim de semana.



Ingredientes para cerca de 15 bolachinhas:

150g de maçã descascada e partida em pedaços não muito pequenos
150g de flocos de aveia
40g de farinha (podem usar farinha normal, trigo sarraceno e também farinha de linhaça)
1 ovo
30g de manteiga (ou óleo de coco)
50g de açúcar mascavado (ou mel)
1 colher de chá de canela
1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:

Coloque todos os ingredientes no robot de cozinha (ou pode triturar com a varinha mágica) e triture até obter uma textura húmida e homogéna.
Com a ajuda de uma colher de sopa, coloque montinhos de massa num tabuleiro forrado com papel vegetal e achate-os ligeiramente com as costas da colher.
Leve o tabuleiro ao forno previamente aquecido a 180ºC, e deixe cozinhar cerca de 30 minutos ou até as bolachinhas estarem douradas. Retire do forno e deixe arrefecer sobre uma grelha.
Guarde num frasco ou caixa hermética.


Bom Apetite!

Gelados de Morango e Iogurte com Mel (Receita também em Video)


Quando idealizei as receitas para os vídeos do canal de You Tube As Minhas Receitas (https://www.youtube.com/channel/UCqwx5k2A7vqwwAaa8xbIPJg)
  das próximas semanas, estava imenso calor. No dia em que os gravamos já esteve mais frio e chuvoso, e o mesmo se passa no dia de hoje (e ao que parece pelo menos para os próximos dias!) Por isso hoje até pode parecer disparatado aparecer por aqui uma receita de gelados.... Mas o verão vai chegar. Vai voltar o calor e com ele a vontade de comer gelados. 
O que vos trago hoje é uma versão caseira de gelados. Mais do que isso é uma versão sem adição de açúcar refinado e natas, mais própria para os mais pequenos e para quem se preocupa com esta questão. Mas é também uma versão para toda a família de gelados que certamente vão agradar a todos quer pela simplicidade com que se preparam, quer pelos ingredientes utilizados: simples e acessíveis a todos. Esta versão é com morangos, mas podem, com a mesma receita e a mesma quantidade utilizar outras frutas do vosso agrado, como manga, mirtilos, papaia, meloa, framboesas....
Nesta receita utilizei uns moldes de gelado que comprei o ano passado e que andava a namorar à imenso tempo. Nunca encontrei este tipo de moldes à venda em Portugal, e deixo-vos aqui o link de onde encomendei os meus (http://www.coqueto.es/es/moldes-para-helados/2091-molde-para-helados-polos-8-cavidades.html). No entanto encontram moldes de gelados de pauzinho em lojas de produtos para a casa e até nos supermercados.
Uma receita a pensar nos dias de verão e com vídeo, para ser ainda mais simples de seguir e ter à mão uma receita ideal para os mais pequenos.



Ingredientes para 8 gelados:

300g de morangos (usei congelados)
60ml de água
2 colheres de sopa de mel (ou açúcar/mel a gosto)
200g de iogurte grego não açucarado ou iogurte natural

Preparação:

No robot de cozinha ou com a varinha mágica triture os morangos com 1 colher de sopa de mel e a água até obter uma mistura homogénea. Reserve 1/4 desta mistura, e divida a restante por oito formas de gelado de pauzinho. (Se não tiver formas próprias para gelado pode fazer numa forma de bolo inglês e depois cortar o gelado em fatias, ou então utilizar pequenos copinhos de plástico cpara o efeito de gelado individuais).
A mistura de morangos que reservou, junte agora o iogurte e mais uma colher de sopa de mel, e misture bem triturando um pouco mais. Acabe de encher as forminhas de gelado com esta mistura, tape as formas e coloque os pauzinhos em cada um dos gelados.
Leve ao congelador até solidificar, de preferência de um dia para o outro.
Retire depois os gelados e poderá cobrir com chocolate derretido, frutos secos picados ou desidratados, ou simplesmente comer ao natural.

Bom Apetite!

Nota: Os moldes de gelado que eu tenho foram comprados aqui:


Frango Assado com Batata doce e Pimento


Continuo aqui em casa a planear a ementa da semana e a preparar e organizar as refeições de quase toda a semana (de segunda a sexta) à segunda feira. Temperar carne ou peixe, pré preparar a base para, por exemplo umas pataniscas, fazer a base de uma fritata ou deixar o frango temperado ou uma lasanha pronta para ir ao forno dois ou três dias depois.
A facilidade com que depois preparo o jantar todos os dias, sabendo logo que tenho tudo destinado e pré preparado facilita-me imenso os fins de dia com os miudos a pedir para brincar e atenção. Percebi também que se torna mais fácil comermos melhor... Ou seja temos refeições mais equilibradas e compostas, no momento em que se sabe o que vamos comer, que temos sopa pronta, salada ou outros legumes preparados e a carne ou o peixe ou o que for, já meio “alinhavados” para o nosso jantar. Porque mesmo quando estamos cheios de fome, ou não nos apetece cozinhar, há dias em que basta colocar no forno e já está. Como no dia em que jantamos esta receita de frango, que tinha sido preparada nessa manhã, e que depois foi só colocar no forno, enquanto com os miúdos  fazíamos um “engarrafamento”. Depois enquanto se põe a mesa e se tira a salada para temperar, aquece-se a sopa e o jantar está na mesa.
Cá em casa o método funciona lindamente.

Ingredientes para 2 pessoas:

1 batata doce grande
1/2 frango (grande) partido em pedaços
1 colher de sopa de massa de pimentão
1/2 pimento vermelho (pequeno)
10 azeitonas pretas descaroçadas
3 dentes de alho
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Numa assadeira ou pirex que possa ir ao forno, coloque o frango partido em pedaços. Acrescente depois a batata doce partida descascada e partida em palitos grossos. Junte também o pimento vermelho em tirinhas finas e as azeitonas. Tempere com sal e pimenta a gosto e junte a massa de pimentão. Esmague os alhos num almofariz e misture também ao frango.
Tape com papel de alumínio e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 1 hora. Ao fim desse tempo retire o papel e deixe tostar e cozinhar mais 20 a 30 minutos.
Sirva com uma salada verde variada.


Bom Apetite!

“Pão” de Banana e Earl Grey


De vez em quando, quando um dos miúdos está na escola, e o outro está a passar o dia semanal com os avós, tenho tempo para fazer as coisas que, com eles, muitas vezes não consigo. Ainda que, na maioria das vezes aproveite esse tempo para estar agarrada ao computador a responder a mails, a trabalhar em receitas, a fazer pesquisas, ou em qualquer outro projeto de exija a minha total atenção, outras vezes consigo ter alguns minutos para “aproveitar” o silêncio da casa. E foi num dia assim, que me virei para a minha biblioteca culinária e peguei num dos livros do Jamie, para o folhear, enquanto bebericava o meu café. Página atrás de página, receita após receita, e quase que sentia que mal tinha olhado para aquele livro, pois parecia que nem reconhecia as receitas. Uma delas foi este “pão”/bolo de banana com chá Earl Grey, que é apenas e só um dos meus favoritos. Pensei que não era muito normal ter deixado escapar aquela receita em particular, marquei-a, com o pensamento de a fazer em breve, e voltei à minha vida.
Ontem, reparei que algumas das bananas da fruteira estavam a ficar muito maduras -  “raspas” como diz o Zé Maria, que assim já não gosta de as comer. Lembrei-me do livro, e da receita e, enquanto o António dormia a sesta, as bananas lá se transformaram neste “pão”/bolo de banana, numa versão sem açúcar refinado adicionado, que ainda por cima é óptimo porque assim os miúdos podem comer mais à vontade. Fiz também algumas alterações, conforme os ingredientes que tinha em casa, mas ficou muito bem.
Aqui fica.

Ingredientes:
(adaptado de Jamie Oliver “Everyday Superfood”, página 82)

1 saqueta de chá Earl Grey
75g de tâmaras 
75g de avelãs
150g de farinha de trigo integral
50g de farinha de centeio
1 colher de chá de fermento em pó
2 bananas grandes e maduras
2 ovos
50ml de mel
4 colheres de sopa de azeite

Preparação:

Comece por preparar o chá com apenas 100ml de água a ferver e deixe ficar a saqueta cerca de 3 minutos.
Retire o caroço às tâmaras e coloque-as no robot de cozinha juntamente com as avelãs, as farinhas, o fermento e uma pitada de sal. Triture bem até as avelãs e as tâmaras estarem finamente picadas e misturadas nas farinhas. Acrescente depois as bananas, os ovos, o mel, o azeite e o chá anteriormente preparado, e misture tudo muito bem no robot novamente.
Coloque a mistura numa forma de bolo inglês previamente forrada com papel vegetal e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 45 a 55 minutos, ou até estar cozinhado e dourado. 
Retire o “pão” do forno e cuidadosamente retire-o da forma, colocando-o numa grelha a arrefecer.
Sirva ao pequeno almoço ou lanches - ou até com o café - com frutos vermelhos, e um pouco de iogurte, ou simplesmente torrado e barrado com um pouco de manteiga e mel.


Bom Apetite!

Almôndegas de Cavala


Foi um fim de semana que passou a correr. Uma sexta feira frenética, com filmagens para o canal de youtube - As Minhas Receitas (https://www.youtube.com/channel/UCqwx5k2A7vqwwAaa8xbIPJg) Foi um dia cansativo, mas que compensa sempre pelas vossas reacções e comentários aos videos e receitas.
Sábado logo de manhã cedo, foi altura de ir até ao Porto, para mais um workshop de “Receitas de Verão”. Obrigada a todas as que estiveram presentes, para mais uma maravilhosa manhã entre conversam risos, boa disposição, receitas, almoço e convívio. Chegar a casa, arrumar tralhas, ter um bocadinho para estar a brincar e relaxar com os miúdos. E depois fomos jantar a casa de uns amigos, que sabe também sempre bem ser recebida em casa dos outros, para um jantar divertido.
E domingo que foi dia da mãe. Entre receber beijinhos e miminhos dos filhos logo pela manhã, tomar café com os amigos depois da missa, a almoçar com a mãe e jantar com a sogra, o dia passou-se tão depressa como o resto do fim de semana, e quando reparamos são 22h de domingo à noite e estamos a chegar a casa...
E entretanto começa uma nova semana, com uma receita de almôndegas de cavala que foram uma forma de aproveitar as sobras de umas deliciosas cavalas assadas. Como habitual, cá em casa nada se desperdiça!

Ingredientes para 10 almondegas: (2 pessoas)

200g de sobras de cavala assada desfiada sem peles e espinhas (podem usar outro peixe)
1 batata média cozida (sobras)
1 ovo
3 colheres de sopa de farinha de mandioca ou pão ralado + para panar
3 colheres de sopa de salsa picada
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.

Preparação:

No robot de cozinha misture as sobras de cavala, as batatas em pedaços, a salsa picada, a farinha de mandioca ou pão ralado, o ovo e tempere a gosto com um pouco de sal e pimenta. Triture tudo até obter uma mistura homogénea. Molde depois bolinhas não muito pequenas (do tamanho de uma bola de golf) e passe-as por mais farinha de mandioca ou pão ralado.
Depois pode fritar em óleo quente, ou levar ao forno, a 180ºC cpm ventilação, num tabuleiro forrado com papel vegetal e regadas com um fio de azeite, durante cerca de 20 minutos.
Sirva com uma salada verde ou legumes salteados.


Bom Apetite!

Filetes de Pescada Crocantes no Forno


Cá em casa - e principalmente com os miúdos - tentamos que a nossa alimentação seja o mais correta e completa possível. E tentamos também fazer menos fritos.
Nos últimos tempos, as tentativas para cozinhar alimentos de forma igualmente crocante têm sido muitas, e acho que finalmente percebi o truque. No meu caso, a ventilação do forno acho que tem ajudado - eu não gosto particularmente de usar o forno com a ventilação, mas para estas coisas já percebi que é fundamental - e uma cobertura crocante de arinha de mandioca ou  pão ralado com sementes e outros temperos são também aliados. Já para não falar do azeite em spray - que ajuda a colocar apenas uma camada fina de azeite sobre os alimentos....
Assim, as experiências de cozinhar alimentos no forno que quase pareçam fritos têm resultado muito bem, e só é preciso ter algum cuidado para que não fiquem secos, o que pode aconetcer em segundos e com alguma facilidade.
Desta vez, os filetes de pescada ficaram dourados e crocantes e todos repetiram. 

E é já amanhã o workshop no Porto!  Pelas 10h vou estar nos Workshops Pop Up, na Rua do Almada, no Porto, para mais um workshop: "Receitas de Verão, Rápidas e Económicas para Impressionar". Já não há muitas vagas, portanto, se ainda estão interessados, e querem um programa diferente, já sabem! Para inscrições e mais informações em info@workshops-popup.com

Ingredientes para 4 pessoas:

400g de fletes de pescada
sumo de limão
alho em pó q.b.
sal e pimenta q.b.
louro em pó q.b.
50ml de vinho branco
farinha de mandioca ou pão ralado q.b.
1 colher de sobremesa de sementes de sésamo
1 colher de chá de colorau fumado (pode ser normal)
1 ovo batido
azeite q.b.

Preparação:

Tempere os filetes com o sal, pimenta, o alho em pó, o vinho branco e o sumo de limão e deixe marinar uns minutos.
Entretanto coloque numa taça o ovo batido, e na outra coloque a farinha de mandioca com as sementes de sésamo, o colorau fumado, e um pouco de sal, louro e de alho em pó. Misture  bem.
Passe depois os filetes de pescada bem escorridos pelo ovo batido, e depois pela cobertura de crocante de farinha de mandioca e pão ralado.
Vá colocando os filetes sobre um tabuleiro que vá ao forno forrado com papel vegetal.
Quando terminar com todos os filetes, regue-os com um pouco de azeiet - eu gosto de usar o azeite em spray, porque se torna mais fácil.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC  com ventilação durante cerca de 20 minutos, até que fiquem crocantes e dourados . Se achar necessário, vire-os a meio da cozedura.
Acompanhe com coleslaw de couve, cenoura e hortelã e batata doce no forno, ou outros acompanhamentos da sua preferência.


Bom Apetite!

Empadinhas Abertas de Maçã e Farinheira


Quando recebo amigos ou a família ando sempre a magicar receitas para servir como entradas, quer seja como “finger food”, quer seja como algo mais “formal”. Esta receita teve já várias variantes, serviu para entrada mais formal, com uma salada verde a acompanhar, mas também já servir como pequenas tapas, num jantar tipo lanche ajantarado com amigos. Já fiz com farinheira, alheira e morcela. Com a maçã em cubinhos ou em puré. Como a escrevo aqui hoje é meramente uma sugestão, e a minha versão favorita.
Agora que o tempo convida a estas coisas, e sei que entramos no tempo das comunhões, batizados e outras celebrações do género, nada melhor do que uma receita que vos pode servir de inspiração. E, mais uma vez, e como é habitual à quinta feira, com um vídeo.



Entretanto há mais um workshop no Porto!  Dia 6 de Maio, pelas 10h vou estar nos Workshops Pop Up, na Rua do Almada, no Porto, para mais um workshop: "Receitas de Verão, Rápidas e Económicas para Impressionar". Para inscrições e mais informações em info@workshops-popup.com

Ingredientes para 8 unidades:

2 maçãs
8 discos de massa para empadas - pronta a usar
1/2 farinheira
2 colheres de sopa de broa de milho picada
salsa picada q.b.

Preparação:

Forre um tabuleiro de queques com os discos de massa e leve-os ao forno - previamente aquecido a 180ºC durante 10 minutos, de modo a que a massa comece a cozinhar.
Entretanto descasque as maças e corte-as em cubos pequenos e leve-os saltear numa frigideira com um pouco de azeite até que fique macia. Retire a maçã da frigideira e recheie as tarteletes e leve-as novamente ao forno mais 10 minutos.
Entretanto retire a pele à farinheira e desfaça-a. Leve uma frigideira ao lume sem gordura e acrescente a farinheira e a broa de milho picada e deixe fritar, formando uma espécie de crumble. Escorra sobre papel absorvente.
Assim que as tarteletes sairem do forno termine com o crumble de farinheira e salpique com a salsa picada.


Bom Apetite!

Imprimir