Sopa de Espargos e a Jullie


A máquina é amorosa. Pequenina e compacta. Tão intuitiva de usar que quase que dispensa a leitura do manual de instruções. Uma máquina que faz sopas, iogurtes e compotas realmente sozinha, bastando para isso escolher o programa e carregar num botão. E já está.
Pode até parecer que já há máquinas que fazem isso e muito mais, mas a pequena Jullie é tão específica que acaba também a ser única e a ter características muito próprias.
Na minha cozinha há sempre espaço para tudo o que ajude a poupar e ganhar tempo. Nas nossas vidas de todos os dias o tempo acaba a ser o bem mais precioso que temos e aquele que nunca podemos comprar. Com duas crianças pequenas, há dias em que o tempo passa a correr, e em que preparar os almoços e jantares parece que é tudo o que fazemos.
Tive a minha primeira experiência com a Jullie num dia particularmente atrapalhado. Sopas para fazer, o jantar, pão e como era véspera de fim de semana também um bolo. Entre o choro do mais pequeno, irritado por estar sentado na cadeira ao meu lado, enquanto eu tento chegar a todo o lado, e a conversa do mais crescido a querer “ajudar”, a querer “lavar a louça”, a querer puxar-me para brincar as coisas lá se foram fazendo. Coloquei o pão a levedar, tinha o jantar ao lume, o bolo a cozinhar no forno e comecei a preparar as sopas. Uma sopa para os mais pequenos e outra sopa para os mais crescidos. 
Coloco os ingredientes dentro da Jullie. Tapo e carrego no botão. Começo no outro lado a preparar a outra sopa. Apanho chupetas, dou mimo, mexo a panela, espreito o forno, tropeço num carrinho, ajudo a puxar as mangas da camisola, mexo mais uma vez a panela. Esqueço-me da sopa até que ouço os primeiros barulhos. A Jullie a triturar a sopa, sem ser preciso verificar mais mais nada, sem ter sido necessário carregar em mais nenhum botão. Entre tirar o bolo do forno, e desligar o tacho. A Julllie apita e diz-me que a sopa está pronta.
O meu creme de espargos sai aveludado e saboroso como sempre. A Jullie fez o seu trabalho e eu fiz o meu. Pouco tempo depois estávamos todos à mesa, cada um com o seu prato de sopa à frente.
(E aqui fica mais um vídeo e uma nova receita para o canal youtube. Ainda não subscreveram? De que é que estão à espera? Canal As Minhas Receitas aqui!)

Ingredientes para 4 pessoas:

1 alho francês pequeno
300g de espargos brancos de conserva
1 batata grande
sal q.b.
azeite q.b.
Croutons e coentros para servir

Preparação (método tradicional!):

Descasque a cebola e pique-a.
Corte os espargos em pequenos pedaços. assim como a batata e reserve.
Leve ao lume uma panela com um pouco de azeite e acrescente a cebola. Deixe começar a caramelizar e acrescente depois os espargos e a batata e envolva bem no refogado. Tape o tacho e deixe suar uns minutos em lume muito brando sem deixar queimar ou agarrar.
Acrescente depois água a ferver até cobrir os legumes, tempere-os de sal e deixe cozinhar em lume brando até que estejam macios.
Triture depois a sopa até ficar bem cremosa, e, se necessário acrescente mais água a ferver até a sopa ter a consistência desejada. (A sopa deverá ser espessa e cremosa). Retifique de sal.
Sirva o creme bem quente com croutons e um fio de azeite.

Bom Apetite!

Post escrito em parceria com a Jullie


Pernas de Pato Assadas com Batatas Coloridas


O fim de semana já lá vai. 
Entre livros, passeios e uns dias em Lisboa! Tenho apenas de agradecer a presença de todos na Feira do Livro de Lisboa. Foi um prazer ter-vos por lá, conhecer-vos ou reencontrar-vos. Obrigada por terem estado presentes. Fizeram o meu dia muito mais feliz. Obrigada pelas palavras de incentivo, pelos mimos e por me fazerem acreditar que vale a pena estar deste lado.
Para começar a semana coisas rápidas e com pouco trabalho. Umas perninhas de pato assadas e a acompanhar batata branca e batata doce cor de laranja. Uma de textura mais crocante, e outra de textura mais cremosa, a contrastar com o sabor rico do pato. Ainda uma receita de forno, porque os dias ainda não estão assim tão quentes, e quando se fala em poupar tempo o forno é sempre um grande aliado!
Boa segunda feira a todos. Bom início de semana!



Ingredientes para 2 pessoas:

2 pernas de pato
sal e pimenta q.b.
1 batata doce laranja grande
8 batatinhas tipo primor
azeite q.b.
ervas da provença q.b.

Preparação:

Tempere as pernas de pato com sal e pimenta e reserve.
Lave bem as batatas. Corte as batatinhas ao meio, e a batata doce em rodelas grossas. Coloque-as depois numa taça e tempere com sal, pimenta, um fio de azeite e as ervas da provença. Envolva bem as batatas.
Num tabuleiro com grelha que vá ao forno coloque as pernas de pato e disponha também as batatas. (Usar um tabuleiro com grelha faz com que a gordura escorra e as batatas e o pato fiquem mais crocantes e menos gorduroso!) Leve a assar em forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 1h30. 
Sirva com uma salada ou brócolos cozidos.


Bom Apetite!

Salada de Abóbora, Rucula, Azeitonas e Abacate com Bifinhos de Peru


Hoje não há coisas doces. A semana foi já demasiado doce e hoje há uma sugestão diferente.
Com o aproximar do verão, chega o tempo dos churrascos e das refeições ao ar livre. Dos piqueniques e dos almoços na varanda ou no jardim. E eu, gosto de experimentar acompanhamentos diferentes para os habituais churrascos que fazemos nesta altura. Há sempre os clássicos: o arroz de feijão, as saladas variadas e coloridas, o coleslaw, a salada de batata ou a batata assada e as batatas fritas, mas com tantas outras coisas diferentes e originais, há que tentar inovar.
Estou rendida a esta salada de abóbora, abacate e rúcula. Muito simples, deliciosa fria e que é prefeita para levar num piquenique ou para acompanhar todo o tipo de carnes grelhadas. Apesar de não ter sido num churrasco, acompanhei cm uns bifinhos de peru grelhados, e digo-vos que desde o Miguel ao Zé Maria, todos gostaram.
Para o fim de semana que para muitas até é prolongado, uma receita para um acompanhamneto de verão!


É já amanhã, sábado, que estarei presente na Feira do Livro de Lisboa, pelas 18h, no stand da Esfera dos Livros. Terei todo o gosto em vos conhecer e conversar com quem por lá quiser e puder passar! Aguardo a vossa presença.

Ingredientes para 2 pessoas:

250g de abóbora manteiga
uma mão cheia de folhas de rucula
15 azeitonas pretas descaroçadas
1/2 abacate
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.
1/2 colher de café de canela
1/2 colher de café de colorau
1 colher de chá de ervas da provença
4 bifinhos de peru
1 limão

Preparação:

Corte a abóbora em cubos pequenos e tempere com sal, pimenta, um fio de azeite, a canela, o colorau e as ervas. Misture bem e coloque a mistura num tabuleiro forrada com papel vegetal e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC e deixe cozinhar cerca de 20 minutos ou até a abóbora estar macia. Deixe arrefecer.
Coloque depois a abóbora numa saladeira e acrescente o abacate partido em cubos, as azeitonas cortadas ao meio, a rúcula e envolva bem. 
Entretanto tempere os bifinhos de peru com sal, pimenta e sumo de limão. Grelhe-os numa chapa ou grelhador quente até que estejam cozinhados e pincele-os com uma mistura de azeite, pimenta e sumo de limão.
Sirva com a salada de abóbora.


Bom Apetite!

10 anos e uma novidade em forma de Bolo de Iogurte, Laranja e Chocolate

Faz hoje 10 anos que, sem pensar muito nisso resolvi criar um blogue de receitas, onde pudesse ir mostrando aquilo que fazia na cozinha. Não sei como cheguei até aqui. Como desenvolvi esta relação de longevidade, de escrita regular e de receitas constantes. 
Como se resumem 10 anos de blogue? O que se diz? O que se faz?
10 anos é muito tempo. São muitas receitas e ainda mais leitores. Em 10 anos há muita partilha. Muitas ideias. Muitas receitas que nunca saíram dos rascunhos e das más experiências. Muitas receitas que se tornaram favoritas, e algumas receitas que nunca mais se fizeram.
Em 10 anos o blogue evoluiu, eu evoluí e a minha maneira de cozinhar também teve uma evolução. Em 10 anos também houve mudanças. Novos ingredientes e novas preocupações. Em 10 anos passou a haver publicidade, e marcas a contactarem-nos. Em 10 anos houve direito a livros publicados e a leitores que se tornaram amigos. 
Manter um blogue durante 10 anos não é fácil nem para todos. (Perdoem-me a falta de modéstia.) Mas é algo que faço com o mesmo entusiasmo desde o primeiro dia. Mesmo que agora o meu tempo seja repartido pelos dois rapazinhos que este blogue também viu nascer. 
São 10 anos em que continuo a olhar para este blogue como se ainda fosse um mero passatempo e onde muitas vezes não lhe reconheço o alcance que atingiu. Talvez nunca tenha muita noção disso, porque para mim continua a ser uma coisa muito minha e muito pessoal. Onde me posso tornar repetitiva ou básica, fundamentalista ou elitista, mas que é o prolongamento da minha vida.
Estão aqui representados, escritos muitas vezes por meias palavras e outras vezes com as palavras todas, 10 anos passados da minha vida. Além de receitas neste blogue está a história destes 10 anos da minha vida.
São 10 anos desde que descobri a Elvira e a Isabel. E depois a Suzana, a Manuela, a Mónica e a Mariana. E mais tarde muitos outros como o Célio, a Lúcia, a Dulce, a Cláudia, a Inês, a Luísa ou a Marisa. Não sairia daqui se enumerasse todos os blogues que conheço e que também me inspiram todos os dias. E quero acreditar que todos juntos, apesar das diferenças, somos uma enorme família e todos temos em comum esta enorme paixão por cozinhar e andar de volta dos tachos e panelas.
10 anos é muito tempo. Mas enquanto continuar a gostar do que faço. Enquanto cozinhar me der mais prazer do que trabalho e enquanto houver leitores queridos e atentos (e também alguns menos simpáticos anónimos que ajudam a apimentar a coisa!) eu sei que vou continuar deste lado.

E tudo tem que evoluir. Também o blogue. Nada melhor para assinalar estes 10 anos do que uma grande novidade: para já, uma receita em vídeo. A primeira de um canal youtube que vos anuncio hoje! Espero que gostem, que partilhem o video com todos os que conhecem e gostam de cozinhar receitas simples e para todos os dias, que subscrevam o canal para receberem todas as novidades e que deixem as vossas sugestões, porque só assim se pode melhorar!
10 anos assinalados com um bolo, porque os bolos servem para comemorar. E aqui fica o primeiro video: um Bolo de Iogurte, Laranja e Chocolate para partilhar e agradecer a todos!

Não garanto que fique mais 10 anos. Mas também nunca pensei algum dia chegaria a estar por cá estes 10. Muito obrigada a todos, por tudo.

Este ano estarei presente na Feira do Livro de Lisboa, no dia 28 de Maio, sábado, pelas 18h, no stand da Esfera dos Livros. Terei todo o gosto em vos conhecer e conversar com quem por lá quiser e puder passar!



Ingredientes:


1 copo de iogurte natural (125g)
150g de manteiga
raspa e sumo de 1 laranja
2x o copo do iogurte de açúcar
3x o copo de iogurte de farinha
1 colher de chá de fermento em pó
4 ovos
100g de chocolate partido em pedacinhos



Cobertura:
100ml de natas
100g de chocolate de culinária



Preparação:



Numa taça coloque a manteiga amolecida, o iogurte, a raspa e sumo da laranja, o açúcar, a farinha, o fermento e os ovos. Bata até obter um creme homogéneo e sem grumos. Junte depois os pedacinhos de chocolate e envolva bem.
Coloque a mistura numa forma com buraco, previamente untada e polvilhada com farinha e leve a cozer em forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 35 minutos.
Entretanto leve um tacho ao lume com as natas e deixe aquecer. Junte depois o chocolate partido em pequenos pedaços e deixe derreter.
Quando o bolo estiver cozinhado, retire do forno e deixe-o arrefecer completamente.
Verta depois a cobertura de chocolate e está pronto a servir.

Bom Apetite!




Barritas Cruas de Frutos Secos e Cacau



No meu aniversário e no natal (que têm uma semana de intervalo!) a biblioteca culinária cresce sempre imenso cá por casa. Seja a mãe, a sogra, a irmã, os cunhados, os amigos e até o marido, todos sabem que oferecerem-me livros de culinária é dos melhores presentes que me podem dar. Também já sabem que habitualmente não compro os livros que vão saindo no final do ano - que são quase sempre a maioria - para deixar em aberto as sugestões de oferta. E se houver repetidos é sempre muito fácil ir trocar. Mas sim, a biblioteca cresce sempre (bastante) nesta altura! Mas depois nem sempre há tempo para conseguir ver com atenção os livros que chegam nessa altura! É certo que os folheio a todos nos dias seguintes ao natal, até porque adoro o cheiro dos livros novos, escolho um ou dois aos quais começo a dar preferência e outros vão ficando mais esquecidos... É depois, à medida que o ano avança que os vou lendo com mais atenção e descobrindo os “tesouros” que têm escondidos, nas receitas e nas sugestões que apresentam.
E eu não sou esquisita com os livros. Sejam de cozinha vegetariana, só de bolos e sobremesas, das receitas do meu querido Manuel Luís Goucha, das receitas mais alternativas da Mafalda Pinto Leite, ou até do livrinho promocional do Avillez que saiu com o Expresso, todos são apreciados, e todos têm ideias, sugestões e algumas novidades que merecem ser testadas e experimentadas, porque a comida tem este efeito fantástico de assumir muitas formas, sabores e ideais!
Nos últimos tempos o primeiro livro da Ella Woodward tem estado a ser visto com mais atenção. Talvez por ser tão “alternativo”, e tão diferente daquilo que é a minha maneira habitual de cozinhar. Já tinha experimentado os Brownies de Batata Doce, porque adoro batata doce e não fui capaz de resistir à receita, mas depois disso não voltei a ligar muito ao livro. Até que há uns tempos lhe voltei a pegar e ler com atenção. A Ella faz uma alimentação sem carne, peixe, glúten, açúcar e laticínios. Não vou discutir essas opções, mas encontrei nas receitas delas algumas muito curiosas que experimentei e de que gostámos bastante. Fiz um delicioso pesto de abacate que adaptei às nossas refeições vegetarianas, e uma deliciosa salada de abóbora assada, abacate e rúcula que acompanhei com carne grelhada, e que estava divinal! Portanto a inspiração pode vir de muitos sítios, e pode adaptar-se quase sempre à nossa realidade alimentar!
Das outras coisas que descobri, foi como fazer umas deliciosas barritas cruas, com frutos secos e cacau, muito semelhantes a umas que tinha comprado há umas semanas atrás no mercadinho biológico do Botânico e que eram realmente muito boas. A Ella chama-as de Brownies Crus e usa um rácio diferente de frutos secos, mas para mim não são brownies (brownies são outra coisa completamente diferente, com chocolate e manteiga e farinha e ovos....), mas são mesmo umas fantásticas barritas perfeitas para trazer na carteira ou no saco do ginásio para um snack rápido.

Este ano estarei presente na Feira do Livro de Lisboa, no dia 28 de Maio, sábado, pelas 18h, no stand da Esfera dos Livros. Terei todo o gosto em vos conhecer e conversar com quem por lá quiser e puder passar!



Ingredientes para cerca de 8 barritas:
(adaptado de “As Delícias de Ella” - Ella Woodward, página 93)

100g de passas ou sultanas
150g de tâmaras descaroçadas (usei tâmaras sem adição de xarope de glicose)
150g de frutos secos (eu usei uma mistura de avelãs, nozes, amêndoas e caju, mas podem usar apenas o que preferirem)
1 vagem de baunilha
2 colheres de sobremesa de cacau cru em pó

Preparação:

Coloque as passas, as tâmaras, os frutos secos e o cacau no robot de cozinha (ou no liquidificador ou num copo alto, caso vá triturar com a varinha mágica).
Abra a vagem de baunilha a meio e com a faca raspe as sementinhas e junte-as à mistura anterior. 
Triture tudo muito bem até quase formar uma bola de massa com a consistência de massa de bolachas. Atenção que não deve triturar demais pois os frutos secos começam a transformar-se em “manteiga”. 
Transfira a mistura para a banca da cozinha forrada com película aderente e com as mãos espalhe-a de modo a formar um retângulo com cerca de 0,5cm de espessura. (Se preferir espalhe a mistura num tabuleiro retangular pequeno forrado com película aderente. Tape bem a mistura e leve ao frigorífico cerca de duas horas.
Ao fim desse tempo retire e corte em barritas com cerca de 10 cm de comprimento com a ajuda de uma faca afiada. Embrulhe cada uma delas individualmente em papel vegetal e guarde no frigorífico numa caixa hermética e retire à medida que vai necessitando.
Optimas para snacks antes ou depois do ginásio ou para trazer na carteira para quando a fome aperta!


Bom Apetite!

Bolo de Cenoura e Banana


Por aqui não tem havido tempo para nada e os fins de semana têm passado a correr. 
Este fim de semana fomos até Beja, ter com o afilhado mais crescido que fez a sua primeira comunhão. E nós não podíamos deixar de estar presentes! Os dias que antecederam a nossa ida também passaram a correr, entre muitos dos habituais afazeres. Houve muito pouco tempo para grandes cozinhados, para deixar tudo organizado como eu queria e fazer o que tinha inicialmente idealizado.
No sábado foi meter os miúdos no carro, acabar de meter as últimas coisas nas malas e seguir viagem! E quase que nos esquecíamos do bolo que tinha feito para levar, não para comemorar a primeira comunhão do pequeno, mas sim para colocar na mesa e comer com a minha comadre, entre dois dedos de conversa e um café, habitual quando estamos juntas.
Porque bolo é sempre sinal de festa e de partilha e de gente à mesa.
E para mim, acho sempre bom sinal quando a semana começa doce!

Este ano estarei presente na Feira do Livro de Lisboa, no dia 28 de Maio, sábado, pelas 18h, no stand da Esfera dos Livros. Terei todo o gosto em vos conhecer e conversar com quem por lá quiser e puder passar!



Ingredientes:
(adaptado de Delicious, Abril de 2016)

250ml de óleo de girassol
4 ovos
220g de açúcar
275g de farinha com fermento
2 colheres de chá de fermento em pó
200g de banana (cerca de 2 bananas)
150g de cenoura (1 cenoura grande)
açúcar em pó q.b. - para decoração

Preparação:

Esmague as bananas com um garfo e rale a cenoura. Reserve.
Numa taça misture o açúcar com os ovos e o óleo de girassol e bata com a batedeira electrica até estarem bem misturados. Junte depois a farinha com fermento e o fermento, a banana esmagada e a cenoura ralada e misture tudo novamente com a batedeira até estar bem misturado.
Coloque a mistura numa forma previamente untada e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 45 minutos ou até o bolo estar cozinhado. 
Retire do forno e deixe arrefecer uns minutos antes de desenformar.
Coloque o bolo a arrefecer sobre uma grelha. Depois de frio coloque no prato de servir e polvilhe com um pouco de açúcar em pó!

Bom Apetite!

Geladinhos de Banana e Frutos Vermelhos


Os gelados são o meu pecado de verão. Gosto muito, e desde que há alguns (já muitos) anos atrás o Miguel me ofereceu uma máquina de gelados, que estes vão sempre saindo cá de casa, experimentando sabores, fazendo combinações e testando variações.
São perfeitos por si só, mas também como acompanhamento de outras sobremesas como crepes, panquecas e waffles.
Agora com o Zé Maria começo a ter outras preocupações. Ele já não é propriamente um bebé e, como está habituado a comer tudo aquilo que nós comemos, não me sinto confortável em negar-lhe um gelado se ele me vir a comer e me pedir. Sim, ele nunca comeu gelado...
Mas receitas de gelado mais saudável não faltam. Gelados sem açúcar ou natas, apenas adoçados pela própria fruta. Já tinha feito gelado de banana e pepitas de chocolate, utilizando para isso apenas algumas banana já bem maduras que congelei. E foi isso que novamente me ocorreu ao olhar para umas bananas já muito escuras que estavam na fruteira. Experimentar fazer uns gelados de fruta triturada, para depois poder oferecer ao Zé Maria, caso ele me peça.
A inspiração até veio do novo livro do José Avillez, que tem lá umas receitas muito parecidas, apesar de recorrer também ao mel para ajudar a adoçar, e ao cacau, e que para já eu evitei. Porque entretanto isto levanta-me outro problema. Se oferecer gelado ao Zé Maria, como é que lhe explico que os gelados que a mamã faz em casa ele pode comer, e não pode comer os gelados que se vendem fora de casa? É também por isto que não sou apologisto de bolos e bolachas preparados especialmente para as crianças porque, a partir de uma certa idade em que começam a reparar em tudo o que há e se come à volta deles, como lhe consigo explicar que pode comer bolo em nossa casa, mas não pode comer em casa da avó, da tia, dos primos?
O que é certo é que fiz estes geladinhos para ele, mas ele até ao momento ainda não os comeu... Eu pelo contrário já provei dois. O melhor de tudo é que são apenas fruta e não estragam a dieta!
(Claro que estou de “dieta”. Sou gaja, estamos quase no verão, tenho um casamento e entretanto e tenho de “caber” no vestido!)

Vou já começando a avisar que este ano também estarei presente na Feira do Livro de Lisboa. Dia 28 de Maio, sábado, pelas 18h, no stand da Esfera dos Livros. Terei todo o gosto em vos conhecer e conversar com quem por lá quiser e puder passar!

Ingredientes para 6 geladinhos:

4 bananas não muito grandes (eu uso banana da Madeira)
200g de frutos vermelhos variados congelados (se preferirem podem usar apenas morangos ou framboesas - mas devem estar congelados)

Preparação:

Descasque as bananas e corte-as em pedaços. Coloque-as num copo alto ou num robot de cozinha e acrescente os frutos vermelhos congelados e triture bem até obter uma pasta cremosa. Se achar que está muito preso - uma vez que vamos colocar em forminhas, acrescente uma ou duas colheres de iogurte natural, leite ou leite de coco. Misture bem.
Encha depois as forminhas de gelado cuidadosamente e leve ao congelador algumas horas.
(Nota, se não tiver forminhas de gelado coloque a mistura numa taça, cubra com película aderente, deve ao congelador e sirva depois o gelado em bolas!)


Bom Apetite!

Imprimir