segunda-feira, Outubro 20, 2014

Costeletas de Porco com Sidra, Salva e Geleia


Nada como experimentar sabores novos, combinações diferentes e receitas inesperadas.
Porco com compota/doce não é novidade. A salva tem um sabor forte e começo a utilizá-la com mais frequência. A sidra foi uma completa novidade para mim, mas tendo como base à maçã, não tinha nada que enganar na junção com carne de porco.
E a receita que combina tudo isto e que não demora mais de 15/20 minutos a preparar só podia ser deliciosa. E só podia ser Donna Hay. Já vos disse a adoro?


Igredientes para 2 pessoas:
(in “No Time to Cook”, Donna Hay, página 76)

2 costeletas de porco - do lombo (4 se forem muito pequenas)
1 raminho de salva fresca
150ml de sidra (“cerveja” de maçã - há à venda em quase todos os supermercados)
2 colheres de sopa de geleia de marmelo
2 dentes de alho
2 colheres de sopa de vinagre
1 colher de sopa de azeite
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Tempere as costeletas com sal e pimenta.
Leve uma frigideira ao lume com o azeite e deixe aquecer. Frite depois as costeletas dois minutos de ambos os lados até ficarem douradas. Retire e reserve.
Entretanto, na mesma frigideira acrescente os dente de alho picadinhos, a sidra, as folhas de salva, a sidra, a geleia e o vinagre. Deixe cozinhar, mexendo de vez em quando até a mistura ter reduzido para metade. Junte novamente as costeletas de porco, e os sucos que entretanto se formaram, e deixe cozinhar mais uns minutos até carne estar a seu gosto.
Sirva com legumes cozidos e arroz.


Bom Apetite!

sexta-feira, Outubro 17, 2014

Bolo de Banana e Frutos Vermelhos com Farinha Integral


Um bolo para o fim de semana, que fim de semana de Outono quer-se com chá e bolo acabado de fazer.
E neste fim de semana que espero mais tranquilo - apesar de amanhã ter já um daqueles almoços com amigos que acabam quase ao fim da tarde - vou finalmente começar a dedicar-me a pensar os cabazes de Natal. Porque já não tenho mãos a medir aos pedidos, ideias e solicitações para as minhas normais sugestões de natal para cabazes cheios de coisas boas para comer. Adoro saber que há quem, que como eu, adora cozinhar presentes para oferecer. 
Portanto, estes e outros, são os meus planos para o fim de semana. E os vossos? Metem bolos também?

Ingredientes:

350g de bananas esmagadas
150g de farinha com fermento
150g de farinha integral
140g de açúcar amarelo
180ml de buttermilk (misturar 1 colher de sumo de limão a 180ml de leite e deixar repousar 15 minutos antes de usar)
80ml de óleo de girassol
1 colher de chá de canela em pó
1 colher de chá de fermento em pó
2 ovos
150g de frutos vermelhos

Preparação:

Numa taça misture as farinhas, o açúcar, o fermento e a canela. Junte depois as bananas esmagadas, os ovos ligeiramente batidos, o buttermilk, o óleo e misture bem até obter uma massa homogénea.
Acrescente depois os frutos vermelhos envolvendo bem.
Coloque depois a mistura numa forma untada e polvilhada com farinha e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 1h (ou mais) até o bolo estar cozinhado.
Deixe arrefecer na forma antes de desenformar.


Bom Apetite!

quinta-feira, Outubro 16, 2014

World Bread Day 2014 - Pão de Abóbora com Nozes


Porque é que eu gosto tanto de cozinhar? Por causa da magia que é juntar ingredientes tão simples e, de repente ter maravilhoso e fantástico para comer.
E, talvez fazer pão, seja das coisas mais mágicas e maravilhosas que eu possa cozinhar.
Farinha, água, sal e fermento.  Partimos de 4 ingredientes base, juntamos, amassamos e deixamos repousar. Primeiro a magia acontece por ação do fermento. e a nossa mistura cresce, no quentinho do taça, coberta por um pano. Depois nova magia, desta vez por ação do calor. E, assim, do nada, de ingredientes que sozinhos não fazem grande diferença, temos o pão. O pão que alimenta o mundo. O pão que mata a fome. O pão, que só por si é sinal de abundância e de alimento.
E foi assim, num momento de magia que da minha cozinha surgiu um pão. Este, alem da farinha, do fermento do sal e da água ainda levou umas nozes e puré de abóbora, que o tornaram dos melhores pães que eu já fiz.
Pão para o World Bread Day. Pão para celebrar. Para para alimentar. Pão para partilhar.
E como não podia eu gostar de cozinhar se, com estes simples ingredientes consigo fazer um pão tão saboroso e bonito?
Hoje, desafio-vos a fazer pão!

Ingredientes para 1 pão:

550g de farinha
280ml de água tépida (37ºC)
150g de puré de abóbora (usei abóbora butternut que assei no forno e depois reduzi a puré com a varinha mágica)
75g de nozes
1 saqueta de levedura seca (usei fermipan)
1 colher de sopa de azeite
sal q.b.

Preparação:

Numa taça coloque a farinha. Forme uma cavidade ao centro e coloque aí o sal, a levedura seca, o puré de abóbora e o azeite. Aos pouco vá acrescentando a água e misturando todos os ingredientes até formar uma bola que seja possível amassar. (A massa não deve ficar muito dura!Dependendo da farinha, poderá ser necessário acrescentar um pouco mais ou, pelo contrário, adicionar um pouco mais de água.) 
Amasse depois numa superfície enfarinhada esticando e batendo a massa, durante cerca de 5 minutos. Estique a massa dos pão com as mãos, de modo a obter um rectângulo e espalhe as nozes. Dobre a massa do pão e volte a amassar mais uns minutos de maneira a que as nozes fiquem bem incorporadas.
Forme uma bola e coloque-a numa taça, tape com película aderente e deixe levedar durante cerca de 1 hora.
Ao fim desse tempo retire a massa da taça e estique-a num rectângulo, dobrando-a depois. Forme um pão em forma de rolo, mas não demasiado estreito e deixe levedar mais 30 minutos.
Ao fim desse tempo, faça uns cortes à superfície e leve o pão a cozinhar, cerca de 30 minutos em forno previamente aquecido a 180ºC.
Deixe arrefecer antes de cortar em fatias.


Bom Apetite!


quarta-feira, Outubro 15, 2014

“Pizza” com Base de Couve Flor


É a receita da moda. Desde o Green Kitchen Story´s, onde ao que parece tudo começou, passando pelos grupos e blogues de dietas sem hidratos de carbono, e de alimentação saudável, até mais recentemente às revistas de culinária, sem esquecer os chefe de cozinha e os seus novos livros de culinária, esta receita - ou melhor variações sobre esta receita - está em todo o lado.
Uma pessoa até ouve falar mas não fica muito convencida. Uma pizza em que a base é feita de couve flor é algo para nos deixar com uma dúvida enorme. Será que podemos mesmo chamar pizza a isto? Será que nos deixa satisfeito - não no ponto de vista de saciedade, mas de gulodice - como uma pizza?
Posso apenas dar a minha opinião. É uma boa receita. Perfeita para quem tem de comer “gluten free”. Perfeita para diminuir os hidratos de carbono e mais “verde”, porque tem couve flor e amêndoas - dois dos agora chamados “superalimentos”. É uma receita saborosa, nutritiva, muito boa para variar a alimentação e testar coisas novas e diferentes. Uma maneira de dar um uso diferente à couve flor, da qual eu não sou a maior fã, mas que uso em puré e na sopa com regularidade. Uma excelente maneira de dar vou flor aos esquisitos - adultos e crianças. E um desafio, porque fazer receitas novas, diferentes e criativas é sempre um desafio.
A verdade verdadinha? Faço mais rapidamente a massa de pizza normal - e sujo menos louça - do que a fazer esta base de couve flor. E porque nada bate uma pizza a sério!
(Mas não me interpretem mal… esta receita é muito boa!Não deixem de experimentar!)

(E por acaso já foram ver, ao facebook da Weetabix Portugal as receitas que andei a preparar? Se são tão fans de weetabix como eu, vão lá dar uma espreitadela e vejam como podem usar weetabix em variadas receitas, como um Crumble de Peru ou umas Waffles! Em
http://m.facebook.com/Weetabix.pt)



Ingredientes para 1 “pizza”:

Base:
(receita da base in revista “Good Food, Novembro de 2014, página 30)
750g de couve flor partida em pedaços - só parte branca
100g de amêndoa triturada (ou farinha de amêndoa)
2 ovos
1 colher de sopa de oregãos secos
sal e pimenta q.b.

Molho:
3 tomates maduros
1 cebola
2 dentes de alho
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.

Toppings:
1/2 cebola roxa
75g de fiambre, chouriço, paio ou salame italiano
100g de queijo mozzarela ralado
folhas de manjericão q.b.

Preparação:

Para fazer a base comece por picar a couve flor num robot de cozinha até ficar com uma consistência semelhante a arroz.
Coloque depois a couve flor numa taça, tape-a com película aderente, e leve ao microondas, em potência máxima, durante cerca de 8 minutos ou até a couve flor estar macia.
Retire-a depois da taça com cuidado para não se queimar por causa do vapor e coloque-a num pano de cozinha lavado. Deixe arrefecer um pouco, faça uma bola com o pano e esprema bem de modo a eliminar a maior quantidade de água da couve flor que conseguir.
Coloque depois a couve flor numa taça lavada e acrescente a amêndoa, os ovos batidos, os oregãos e tempere muito bem com sal e pimenta. Misture bem.
Forre um tabuleiro ou prato próprio para pizzas com papel vegetal e cuidadosamente coloque a mistura de couve flor, espalmando-a e dando-lhe a forma de uma base de pizza redonda. Pressione bem a base com uma espátula ou colher e leve a assar em forno previamente aquecido a 180~C durante cerca de 15 a 20 minutos.
Entretanto prepare o molho de tomate. Lave bem os tomates e corte-os em pedaços. Corte também a cebola e descasque os dentes de alho. Coloque tudo no copo da varinha mágica e triture tudo até ficar com um molho cru. Coloque uma panela ao lume com uma colher de sopa de azeite e deixe aquecer. Junte depois a mistura de tomate triturado e  tempere de sal e pimenta. Deixe cozinhar até o molho engrossar e estar apurado, cerca de 15 minutos.
Assim que a base da pizza estiver cozinhada retire do forno e deixe arrefecer um pouco. Coloque depois o molho de tomate sobre a pizza e cubra com o fiambre ou chouriço, a cebola cortada em meias luas fininhas, e o queijo ralado.
Leve novamente ao forno, por mais 10 minutos até o queijo derreter.
Retire do forno e termine com as folhas de manjericão frescas antes de servir.


Bom Apetite!

terça-feira, Outubro 14, 2014

Bifinhos de Frango com Presunto e Salva


Não gosto quando as pessoas saem da minha vida. Gosto ainda menos quando saem por motivos mal resolvidos - ou que nunca se chegaram a resolver. Tenho dificuldade em ultrapassar esta realidade. No meu intimo achei sempre que ainda íamos resolver esta questão. 
(Mas depois lembro-me de outra história mal resolvida e sei que, mesmo conversando, as coisas nunca mais voltariam ao que eram. É quase impossível descrever por palavra como é, de repente, a nossa melhor amiga se zangar convoco por motivos pequeninos que só tiveram sentido naquele momento. A amizade não acabou pela discussão. Morreu, quando deixamos que uma coisa tão pequena e quase insignificante não nos fizesse falar durante um bom par de anos. E que quando isso aconteceu as diferenças nas nossas vidas tivessem criado um fosso tão grande que voltar ao que éramos foi na realidade impossível. Falamos. Conversamos. Partilhamos algumas coisas… mas nunca mais seremos as melhores amigas. Acordar para esta realidade foi difícil. Fiquei magoada. Muito magoada e o mais certo é ter também magoado. Pensei que tinha ficado vacinada e que nunca mais passaria por algo igual. Nunca mais perderia amigos assim. Enganei-me redondamente.)
Falei neste assunto vezes e vezes sem conta à procura de respostas, de solução. Não queria voltar a repetir a história: “perder uma amizade parte 2”. Em busca do motivo. Falei com amigos comuns: não ligues que é mesmo assim; é feitio; dá tempo; é de luas. Todos a minimizar as minha suspeitas, a minha intuição.
O que é certo é que se passou mais de um ano sem uma troca de palavras… e ainda me lembro do clima “normal” da ultima vez que estivemos todos juntos, sem que nada pudesse fazer suspeitar do que se iria passar.
O Zé Maria nasceu, o Natal passou  - ainda lá tenho as prendas - e todos fizemos anos. Houve motivos que nos anos passados nos levaram a comemorar juntos.
Sinto que já não há nada que possa fazer quando ouço o argumento  e facto mais estúpido e nada verdadeiro acerca do “como tudo começou”. É tão ridículo que percebo que, provavelmente, esta amizade passada já não faz sentido. 
Apesar de não querer, sinto esta amizade a escorregar-me definitivamente pelos dedos. Sei que está invariavelmente perdida no dia em que descubro que, além de “desamigados” na vida, fui também “desamigada” no facebook. É tão baixo, tão pequenino, tão ridículo, tão parvo, que por momentos me vi com 14 anos a discutir  com os colegas no recreio da escola. Mas eu não tenho 14 anos… Portanto por mim ficamos por aqui. Assunto arrumado.


Ingredientes para 2 pessoas:

2 peitos de frango não muito grandes
100g de fatias finas de presunto
1 pernada de salva fresca
50ml de vinho branco
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de azeite
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Corte o peito de frango em bifinhos finos e tempere-os com um pouco de sal e pimenta.
Envolva depois cada bifinho com uma fatia fina de presunto e com um palito prenda cem cada bifinho uma folha de salva.
Entretanto leve ao lume uma frigideira com o azeite e a manteiga e deixe derreter e aquecer.
Junte depois os bifinhos de frango à frigideira colocando a parte com a folha de salva diretamente na frigideira. Deixe cozinhar uns minutos desse lado e vire depois os bifinhos deixando-os cozinhar do outro lado. Retire e reserve, mantendo quente.
Junte depois à frigideira onde fritou os bifinhos o vinho branco e deixe levantar fervura e reduzir para metade, raspando bem o fundo da frigideira com a colher de pau.
Verta o molho sobre os bifinhos e sirva de imediato com batatinhas assadas e uma salada verde.


Bom Apetite!


segunda-feira, Outubro 13, 2014

Salmão Gratinado com Alho Francês e Espinafres


O fim de semana foi intenso mas muito gratificante. Apesar de ficar sempre ansiosa antes de cada workshop, de achar que não estou à altura das expectativas das pessoas e que alguma coisa vai correr terrivelmente mal, acho que até correu tudo muito bem, tanto em Coimbra como no Porto, e foi maravilhoso conhecer tanta gente nova e de poder partilhar momentos tão divertidos com todos.
Espero sinceramente que tenham gostado, e que tenham vontade de, quem sabe, participar num próximo.
Depois de um fim de semana de trabalho e, ao contrário da maioria das pessoas, chega a segunda-feira e eu paro um pouco. Para me organizar, para tratar das coisas cá de casa e para mimar o Zé Maria.
E hoje, como sugestão, deixo uma receita de salmão. A semana começa com peixe.

Ingredientes para 2 pessoas:

2 lombinhos de salmão
200g de espinafres
1 cebola
1 alho francês
1 dente de alho
sumo de limão q.b.
sal e pimenta q.b.
vinho branco q.b.
75ml de natas
50g de queijo ralado

Preparação:

Comece por temperar o peixe com sal, pimenta e sumo de limão. Reserve.
Leve depois uma frigideira ao lume com um pouco de azeite e salteie os espinafres até que fiquem murchos, temperando-os com um pouco de sal. Coloque depois os espinafres no fundo de um recipiente que vá ao forno.
Entretanto pique a cebola e os dentes de alho e leve-os também a alourar num pouco de azeite. Acrescente o alho francês previamente cortado em rodelas finas e bem lavado e deixe saldar. Tempere de sal e pimenta e acrescente um bolinho de vinho branco, deixando ferver e apurar até os legumes estarem macios.
Sobre os espinafres coloque os lombinhos de salmão e sobre as estes a mistura de alho francês. Termine com as natas e o queijo ralado e leve ao forno previamente aquecido a 180ºC, cerca de 15 a 20 minutos até que o peixe esteja cozinhado e o queijo gratinado.
Sirva com arroz branco e um salada verde.


Bom Apetite!

sexta-feira, Outubro 10, 2014

Leite Creme de Coco


Foi ainda antes de ir de férias - se bem me recordo no dia antes de ir de férias, que recebi uma oferta da Alpro (www.alpro.com): um “leite” de coco. A Alpro tem essencialmente produtos à base de soja, mas tem também umas bebidas (“leites”) que eu gosto bastante, como o de amêndoas e de aveia - e que ficam deliciosos com as papas de aveia. Este “leite” de coco era uma novidade, mas com as férias acanhou esquecido na despensa para experimentar mais tarde.
Entretanto, andava eu de volta da ementa de aniversário do Zé Maria, quando me lembrei que era a altura ideal para usar e experimentar a tal bebida que a Alpro me tinha enviado. O leite creme de coco foi a receita ideal para experimentar. E ficou aprovada, com toda a gente a gostar muito do sabor delicado de coco no leite creme e a pedir a receita. (E um leite creme sem lactose!)
Com algum atraso aqui fica a receita.

Ingredientes:

1 litro de bebida de coco (usei da Alpro http://www.alpro.com/pt/bebidas/bebidadecoco)
6 gemas
50g de farinha maisena
200g de açúcar

Preparação:

Leve o “leite” de coco a aquecer até que levante fervura e reserve.
Entretanto misture a farinha e o açúcar num tacho e acrescentei leite, pouco a pouco, mexendo sempre até ficar com uma mistura homogénea e começar a engrossar. Retire depois do lume e deixe arrefecer um pouco.
Bata as gemas e acrescente-as em fio à mistura anterior, sem parar de mexer e com cuidado para que que não talhem.
Leve o leite creme novamente ao lume e deixe cozinhar um pouco, mexendo sempre para cozinhar as gemas.
Coloque depois o leite creme em tacinhas, ou numa travessa grande e, mesmo antes de servir, polvilhe-o com açúcar e queime com o maçarico ou com uma pá própria.


Bom Apetite!



Poderá também gostar de:

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin