Panquecas de Banana e Amêndoa com Chantilly de Coco, Tangerina e Framboesas


Quando o Zé Maria nasceu, e tomamos a decisão de fazer a introdução do açúcar refinado o mais tarde possível, fiz muitas pesquisas. Na altura não havia a quantidade de blogues nacionais (se é que havia algum) dedicados à alimentação “saudável” infantil. Descobri muitas coisas em sites maioritariamente estrangeiros, ligados a movimentos vegan, vegetarianos e regimes paleo e o blw.
E descobri também que muitas dessas coisas podiam sem aplicadas aos adultos - e de como diminuir o consumo de açúcares refinados na nossa alimentação.
Eu sou gulosa. E continuo a adorar a doçaria tradicional portuguesa com as tuas muitas gramas de açúcar que até nos deixam um bocadinho enjoados. O que seria da vida sem Pão de Rala, pão de ló bem molhadinho, doce de ovos a escorrer de uma torta de laranja, ou uma bela compota de abóbora. Mas como tudo, tento encontrar um equilíbrio. Não como doces conventuais todos os dias, nem sequer todas as semanas. Mas como-os quando me aparecem à frente, sem nenhuma culpa e com enorme satisfação. Tal como faça bolos caseiros, bolachinhas pelo menos 1 vez por semana. E sobremesas nos dias de festa ou de jantares aqui por casa.
No resto do tempo tento ser equilibrada. Curiosamente cá em casa nem existem açucareiros porque ninguém acrescente açúcar ao café, leite ou chá. E no dia a dia, nos lanches e nos pequenos almoços, mesmo nos mais demorados de fim de semana, em que fazemos panquecas para nós e para os miúdos, aprendi - porque se está sempre a aprender - a usar outros ingredientes e outras combinações para fazer sobressair o doce natural dos alimentos sem ser necessário acrescentar açúcar.
É o caso destas panquecas. Sem açúcar mas adocicadas pela banana. Sem molho de chocolate mas com chantilli de coco que é adoçada pelo coco. E acompanhado por tangerinas e framboesas docinhas. Umas panquecas que todos podemos comer, desde o mais pequenino António passando pelos pais e pelo Zé Maria.
Porque continuam a ser apelativas. E sim, são mais saudáveis. Não tiram a vez a uns crepes recheados com doce de ovos, mas são igualmente de ficar a salivar!

Ingredientes para 2 pessoas:

1 ovo
1 banana
2 colheres de sopa de farinha de amêndoa (amêndoa triturada)

Chantilly de coco:
1 lata de leite de coco que esteve no frigorífico 24 horas
tangerinas e framboesas q.b.
canela me pó q.b.

Preparação:

Descasque a banana e corte-a em rodelas. Coloque a banana cortada, o ovo e a farinha de amêndoa no copo da varinha mágica e triture até obter uma massa homogénea.
Leve depois uma frigideira ao lume e deixe aquecer. Coloque pequenos pedaços de massa - é mais fácil se fizer panquecas mais pequenas - e quando começarem a ganhar bolhinhas vire-as cuidadosamente para que cozinhem do outro lado. Repita até esgotar a massa.
Para o chantilly de coco abra a lata de leite de coco que esteve 24 horas no frigorífico e retire apenas a parte sólida do leite de coco. Coloque numa taça e bata com uma vara de arames apenas para ficar com uma consistência mais homogénea.
Sirva as panquecas com o chantilly de coco a gosto e com as tangerinas e framboesas, polvilhando com um pouco de canela em pó.


Bom Apetite!

Salmão com Limão e Tomilho


A semana começa e voltamos às nossas rotinas. O Miguel sai de mansinho, o sol acabou de nascer. Passado uns minutos ouço passinhos rápidos no corredor e o Zé vem até mim. Sobe para a cama, deita-se ao meu lado e temos uns minutos para a ronha matinal... Levanto-me e a pedido deles abro a persiana. Enquanto me arranjo vamos conversando até que ouço o António a querer acordar. Vamos para a baixo e enquanto coloco as torradas do Zé a fazer aqueço o leite do António. Volta para cima, dar o leite ao mais pequeno e deixo-o a acordar lentamente ao ritmo dele, enquanto volta para baixo a terminar o pequeno almoço do mais pequeno e o meu. Comemos e volto ao António enquanto o Zé fica a ver os desenhos animados e a acabar a torrada e o leite. Visto-o. Faço as camas de todos e desço com a roupa do Zé e o António já pronto.
Visto o Zé, coloco a louça na máquina e preparo-me para sair com os dois, para levar o Zé à escola. Depois, eu e o António seguimos para a nossa vida. Que pode ser desde ir às compras, a ir para casa ou a ir deixá-lo nos avós... São normalmente assim as nossas manhã. Uns dias quase sem birras e gritos, e outros uma correria em que nem tenho tempo para fazer as camas, outros ainda em que tenho de me “zangar” para conseguirmos sair de casa a tempo e horas.
Porque nem todos os dias são cor de rosa, como o salmão  que vos trago de sugestão para o dia de hoje!
Boa semana!

Ingredientes para 4 pessoas:

1 lombo de salmão (inteiro ou 4 lombinhos individuais)
sal e pimenta q.b.
1 limão
1 ramo de tomilho fresco
azeite q.b.

Preparação:

Se usar o lombo de salmão inteiro, corte-o em lombinhos mais pequenos. Tempere com sal, pimenta e sumo de meio limão. Regue com um pouco de azeite e acrescente 4 rodelas finas do restante limão e os raminhos de tomilho fresco.
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 15 minutos, de modo a que o salmão não fique seco.
Acompanhe depois com arroz thai jasmim e brócolos cozidos.


Bom Apetite!

Bolo de Iogurte e Tangerina

A forma linda e que faz qualquer bolo simples brilhar,  é da NordicWare e pode ser encomendada em www.lecuine.pt 

Depois de me “passear” pelas redes sociais e de babar nos bolos de tangerina de duas amigas, a Titá Negrão e a Sofia Castro Fernandes, andei toda a semana a pensar naqueles bolos, e não descansei enquanto não fui para a cozinha fazer um. Os bolos eram semelhantes. Um com iogurte e tangerinas inteiras, outro apenas com sumo de tangerinas. Um com mais farinha e menos ovos. Acabei por fazer assim uma mistura dos dois, tirar de um lado e juntar de outro, e o que é certo é que o bolo ficou delicioso e húmido e com um cheirinho delicioso. E sim, sabe mesmo mesmo a tangerina.
Utilizei as maravilhosas tangerinas que a minha querida Joana  me ofereceu. Já não havia muitas, que tenho cá em casa um mini devorador de tangerinas, o António, que mal me vê a descasca-las, não sai de roda de mim a dizer “cá-cá”. 
Com um fim de semana a espreitar, e ainda por cima com frio, acho que não há nada melhor do que bolo, chá, manta e sofá! Quanto a mim, depois do workshop de amanhã no Porto, espero também ter tempo para esses planos de sofá!

Últimas vagas para amanhã, dia 21 de Janeiro, pelas 15h, nos Workshops Pop-Up, com “Receitas para aproveitamente de sobras”. As inscrições, e mais informações seguem para este email: info@workshops-popup.com!


Ingredientes:

2 chávenas de açúcar amarelo
1/2 chávena de óleo de coco (ou outro óleo vegetal se preferirem)
2,5 chávenas de farinha
1 colher de chá de fermento
3 ovos
1 iogurte natural (125g)
3 tangerinas + sumo de 3 tangerinas para a calda

Preparação:

No robot de cozinha - ou numa taça triturando depois com a varinha mágica - coloque os ovos, o açúcar, as 3 tangerinas inteiras, com casca, cortadas em pedaços, o óleo e o iogurte e triture muito bem até obter uma mistura homogénea. Envolva depois a farinha e o fermento até ficarem bem incorporados.
Coloque a mistura numa forma previamente untada e polvilhada com farinha e leve a cozinhar em forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 40 minutos ou até o bolo estar cozido.
Assim que o bolo estiver cozinhado retire do forno e, ainda quente regue-o com o sumo das outras 3 tangerinas. Deixe repousar cerca de 10 minutos e desenforme cuidadosamente para o prato de servir.


Bom Apetite!

Leite creme de Abóbora (receita também em video)


O fim de semana a aproximar-se, o frio à porta e a vontade de comer umas coisas reconfortantes.
Parece-me que estão lançados os dados para que esta receita seja um pequeno sucesso... Aproveita-se a abóbora que estava a ficar tocada e acabou assada no forno. Deu para uma sopa deliciosa e ainda sobrou.... E acabou neste delicioso leite creme. Quem diria que casava tão bem!
A receita ficou aprovada e será certamente para repetir. E é uma maneira excelente de cortar nos ovos do leite creme sem se dar por isso...
Experimentem e depois digam alguma coisa!

Novo workshop dia 21 de Janeiro, pelas 15h, nos Workshops Pop-Up, com “Receitas para aproveitamente de sobras”. As inscrições, e mais informações seguem para este email: info@workshops-popup.com!



Ingredientes para 4 pessoas:

500 ml de leite meio-gordo
100gr de açúcar
2 gemas
75g de puré de abóbora assado (abóbora manteiga ou hokkaido)
20gr de farinha Maisena (Amido de Milho)
açúcar para queimar o leite-creme

Preparação:

Leve o leite a aquecer. Reserve.
Numa taça, misture o açúcar com a farinha e as gemas e bata bem com uma vara de arames. Misture depois o puré de abóbora e o leite quente, pouco a pouco, mexendo sempre. 
Coe depois a mistura para um tacho e leve novamente ao lume, sem parar de mexer, até engrossar.Distribua o leite-creme pelas tacinhas e deixe arrefecer.
Na altura de servir polvilhe as tacinhas com o açúcar e queime com o maçarico de cozinha.

Bom Apetite!


Arroz de Açafrão com Cubinhos de Porco e Cogumelos


Das pergunta que mais me fazem, além das habituais acerca de receitas e de sugestões de ementas, e algumas dúvidas culinárias, é acerca da minha organização “alimentar”. Já escrevi algumas coisas sobre o assunto, no Economia cá de Casa, mas noto que, de uma maneira geral, há alguma dificuldade em conseguirem organizarem-se. Eu tenho uma grande vantagem: como estou e trabalho em casa, acabo por gerir todo o meu tempo de outra forma, sem a pressão de grandes horários, e isso claro que influencia a maneira como me organizo.
Apesar de parecer que estou sempre a dizer o mesmo, continuo a acreditar que a ementa semanal e as listas de compra são a base de uma organização na cozinha. Raramente fujo aquilo que defini nas ementas e nas listas de compras e isso permite-me à noite deixar a descongelar ou temperar ou até adiantar aquilo que sei que vai ser o jantar do dia seguinte. E basta saber o que vamos cozinhar, e com o que vamos acompanhar para nos conseguirmos organizar muito melhor.
Fora isso há outras pequenas coisas que influenciam muito. Acondicionar compras assim que chego a casa, separando tudo o que é para congelar nas doses que necessito e já quase pronto a cozinhar. Ou de preparar e organizar os legumes assim que chegam a casa, seja preparar logo a alface para estar pronta a ir para a saladeira na hora de jantar, seja os legumes descascados e cortados para a panela da sopa, seja a couve já lavada e cortada, pronta a saltear. Posso demorar algum tempo a fazer isto num dos dias da semana ou ao fim de semana, mas depois tenho a semana quase toda orientada e consigo dar conta do jantar sem stress, todos os dias.
E esta foi uma refeição assim. A carne de porco já estava no frigorífico temperada do dia anterior. O arroz também, que tinha sido feito propositadamente a mais no dia anterior para já servir para o dia seguinte. E os grelos também já estavam cozidos e temperados - sobraram do dia anterior -  e foi só aquecer, mas se não havia salada pronta a colocar na saladeira.
Não sou só eu que tenho truques. Quais os vossos?

Novo workshop dia 21 de Janeiro, pelas 15h, nos Workshops Pop-Up, com “Receitas para aproveitamente de sobras”. As inscrições, e mais informações seguem para este email: info@workshops-popup.com!

Ingredientes:

400g de carne de porco em cubinhos
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
1 dente de alho
sumo de 1/2 limão
1 taça de arroz branco cozido, cerca de 350g
150g de cogumelos brancos
1 colher de chá de curcuma (açafrão das índias)
coentros frescos picados q.b.
tomate cereja q.b.


Preparação:

Tempere a carne de porco com sal, pimenta, o dente de alho picado e o sumo de limão.
Leve depois um tacho ao lume com um pouco de azeite e acrescente a carne de porco e a marinada, deixando cozinhar cerca de 10 minutos em lume forte, mexendo de vez em quando. Acrescente depois a curcuma e os cogumelos partidos em quartos ou laminados, envolva bem e deixe cozinhar mais 15 minutos em lume brando até a carne estar macia.
Acrescente depois o arroz já cozinhado, envolva bem.
Coloque na travessa de servir e polvilhe com os coentros frescos picados e com o toamte cereja cortados em pedaços.
Sirva com uma salada verde ou legumes cozidos.


Bom Apetite!

Pastéis de Sobras de Peixe


Cozinha de início de semana. Ver o que está no frigorífico para gastar: as sobras de peixe. Decidir fazer uma espécie de pasteis de bacalhau, mas usar as sobras do peixe assado.
Todos comeram e todos gostaram. Saber que nada se “perdeu” e tudo se transformou, e que ganhamos uma refeição. Saber que é possível preparar estes pasteis em poucos minutos, e que até é rápido.
E pronto. Sou definitivamente uma pessoa que gosta de cozinhar com restos!

Novo workshop dia 21 de Janeiro, pelas 15h, nos Workshops Pop-Up, com “Receitas para aproveitamente de sobras”. As inscrições, e mais informações seguem para este email: info@workshops-popup.com!

Ingredientes para cerca de 15 pasteis:

150g de sobras de peixe limpas de peles e espinhas (usei pargo assado)
250g de batata (pesadas em cru depois de descascadas)
1 ovo
azeite q.b.
1/2 cebola pequena
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Cozem-se as batatas e escorrem-se tudo muito bem. Põem-se depois novamente na panela, onde vão ao lume para ficarem bem secas. Passam-se então pelo passe-vite ou esmagam-se bem com um garfo ou utensílio próprio.
Entretanto pica-se a cebola e leva-se a alourar num pouco de azeite. Junta-se depois às batatas e peixe e tempera-se tudo com sal e pimenta.
Seguidamente junta-se o ovo e amassa-se tudo muito bem. Moldam-se os bolinhos com a ajuda de 2 colheres de sopa e fritam-se em azeite bem quente. (Em alternativa podem colocar-se no forno a 180ºC durante cerca de 15 minutos).
Sirva com uma salada verde ou legumes cozidos.


Bom Apetite!

Trouxas de Couve Recheadas com Molho de Tomate


A organização doméstica cá de casa funciona assim: no talho escolhe-se carne para picar, 1kg, (normalmente de vaca, dos Açores, e um pedaço com alguma “gordura”, de preferência carne de estufar ou outro corte que me aconselhem.)  Pedem-se para fazer 4 hamburgueres - que fazem num instante, 100% carne, com um molde próprio na máquina de picar. E o que sobra de fazer os hamburgueres, à volta de 400g, vem picada para casa.
Em casa congelam-se os hamburgueres para jantares de fim de semana ou emergências semanais. Com a carne picada prepara-se uma bolonhesa, que também acaba picada.
E o que faço com a bolonhesa? As mais variadas coisas. Uma lasanha, ou simplesmente esparguete à bolonhesa, ou massa gratinada com carne picada. Ou recheio uns wraps e faço uma espécie de enchiladas. Ou junto feijão cozido, preto ou vermelho e faz um chilli rápido que se come com arroz. Ou um empadão com batata (doce ou normal) ou de arroz. Ou qualquer outra coisa, que uma carne à bolonhesa é daquelas coisas muito versáteis que desenrascam o almoço ou o jantar em poucos minutos.
Desta vez, a bolonhesa congelada acabou numas trouxas de couve, e com um molho de tomate por cima. E assim também se aproveitou a couve do cabaz de legumes....


Novo workshop dia 21 de Janeiro, pelas 15h, nos Workshops Pop-Up, com “Receitas para aproveitamente de sobras”. As inscrições, e mais informações seguem para este email: info@workshops-popup.com!



Ingredientes para 2 pessoas:

4 folhas grandes de couve (usei de couve lombarda)
1 taça com carne à bolonhesa já preparada (cerca de 250g)
1 lata de tomate pelado (das pequenas)
1 cebola
2 dentes de alho
1 colher de sobremesa de oregãos secos
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.

Preparação:

Comece por preparar o molho de tomate. Pique a cebola e os dentes de alho e leve-os a alourar num pouco de azeite. Quando a cebola começar a ficar loura, acrescente o tomate pelado partido em pedaços, e o “líquido” do tomate que se encontra na lata. Deixe levantar fervura, tempere de sal, pimenta e oregãos e deixe depois ferver em lume brando até ficar apurado.
Leve depois uma panela ao lume com água temperada de sal. Assim que a água levantar fervura coloque as folhas de couve inteiras e deixe-as cozinhar alguns minutos, de modo a que fiquem maleáveis e cozinhadas, mas não demasiado cozidas. Retire as folhas de couve e escorra-as bem.
Divida depois a carne à bolonhesa pelas folhas de couve e feche-as como se fossem crepes ou pequenas trouxas, de modo a que a carne fique bem fechada dentro das folhas de couve. 
Disponha as trouxas de couve no prato de servir e por cima coloque o molho de tomate.
Sirva com arroz branco ou puré de batata.


Bom Apetite!

Imprimir